terça-feira, 12 de julho de 2016

Energia solar é de graça no Chile. Enquanto isso, no Brasil, pagamos cada vez mais pela energia gerada por barragens e nuclear!






Isto sem falar nos projetos de expansão da energia nuclear, sempre em curso no nosso país!!

A indústria solar do Chile se expandiu tão rapidamente que está gerando eletricidade gratuitamente. Enquanto isso, aqui no Brasil, com o maravilhoso clima que temos, cidadãos pagam cada vez mais caro pela energia elétrica, infelizmente ainda à base de destruição ambiental, construção de barragens, morte de animais selvagens e silvestres, desalojamento de povos indígenas e ribeirinhos!!! Sim, Brasil está construindo a maior usina de energia solar da América Latina, mas, quanto tempo vai levar, com quantos bilhões de desvios pró-corrupção e o que tudo estará infalivelmente destruído até chegarmos a um patamar semelhante ao do Chile???

Sim, o mundo carece rever seus paradigmas, o que inclui as linhas divisórias entre os países. Não podemos mais pensar apenas localmente, isto vem sendo dito por alguns, há muito tempo! Sobra em um país? Compartilha com outro!!

O artigo a seguir foi publicado, originalmente, pela Revista Exame e mostra como, mesmo em uma situação maravilhosa de progresso e abundância, os humanos acostumados à visão estreita do lucro dentro de seus paradigmas (limitadores econômicos e de fronteira), mesmo o que deveria ser festejado pode se tornar um motivo de preocupação!! Mundo, acorda! Não dá mais pra pensar e agir baseado em velhas visões!

Da Exame:
"Os preços à vista chegaram a zero em algumas regiões do país durante 113 dias até abril, número que está a caminho de superar o total do ano passado, de 192 dias, segundo a operadora da rede central do Chile.

Embora isto pode ser bom para os consumidores, é uma má notícia para as usinas de energia, em dificuldades para gerar receita, e para as empresas que buscam financiar novos parques.

A pior situação acontece na região norte do país, no deserto do Atacama. A crescente demanda por eletricidade do Chile, impulsionada pela expansão da produção mineira e pelo crescimento econômico, ajudou a estimular o desenvolvimento de 29 parques solares, e outros 15 estão nos planos para a rede central de energia do país.

Agora, o Chile enfrenta a queda da demanda por energia devido à desaceleração da produção de cobre em meio a um excedente global, o que provoca um excesso de energia gerada em uma região que não possui linhas de transmissão para distribuir a eletricidade a outras partes.

“Os investidores estão perdendo dinheiro”, disse Rafael Mateo, CEO da unidade de energia da Acciona, que está investindo US$ 343 milhões em um projeto de 247 megawatts na região, que será um dos maiores da América Latina. “O crescimento foi desordenado. Não se pode ter tantas empresas no mesmo lugar”.

Um dos principais problemas é que o Chile possui duas redes de energia principais, a central e a do norte, sem conexão entre si. Existem também áreas dentro das redes que não possuem uma capacidade de transmissão adequada.

Com isso, uma região pode ter muita energia, o que derruba os preços, porque o excedente não pode ser entregue a outras partes do país, segundo Carlos Barría, ex-chefe da divisão de energia renovável do governo e professor da Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago.

Infraestrutura inadequada

O governo está trabalhando para corrigir este problema, com planos de construir uma linha de transmissão de 3.000 quilômetros para ligar as duas redes até 2017. Além disso, está desenvolvendo uma linha de 753 quilômetros para resolver o congestionamento nas partes norte da rede central, a região na qual os excedentes de energia estão levando os preços a zero.



“O Chile tem pelo menos sete ou oito pontos nas linhas de transmissão que estão em colapso e bloqueados e tem o enorme desafio de driblar os pontos de estrangulamento”, disse o ministro de Energia, Máximo Pacheco, em entrevista, em Santiago. “Quando você embarca em um caminho de crescimento e desenvolvimento como o que temos tido, obviamente surgem problemas”.

Fonte: Exame
Também aqui: NewPangea